5 de mar de 2018

ANÁLISE: BLOODBORNE






















Quem acompanha o blog desde seus primórdios já deve estar cansado de saber que eu nunca morri de amores pela criação de sucesso da From Software. Demon’s Souls, aclamado como um dos melhores RPGs do Playstation 3, passou pelas minhas mãos assim que adquiri o console, no longínquo ano de 2009. E já naquela época, praticamente o começo da geração do problemático console da Sony, eu sentia uma enorme carência de jogos do gênero RPG. JRPG, pra ser mais preciso.

ANÁLISE: THE LAST OF US






















Uma das coisas que eu mais acho fantástico na Biologia é que essa ciência faz uma aproximação entre o mundo fictício visto em filmes e o mundo real. Se você quer ver bizarrices dignas de histórias como Alien ou Invasores de Corpos, estude o mundo dos insetos, dos artrópodes em geral e dos fungos e bactérias.

19 de fev de 2018

ANÁLISE: NO MANS SKY























Antes de começar a tecer as minhas laudas explicando o meu caso com No Man’s Sky, preciso fazer uma pergunta ao leitor? O que você mais gosta de fazer em um FPS? Se a sua resposta for “admirar os cenários e coletar itens”, sinta-se à vontade pra continuar lendo. Mas se a sua resposta for “aplicar headshots nervosos de cinco em cinco segundos”, sinta-se convidado a fechar a aba do Chrome agora mesmo e ir fazer algo melhor com o seu tempo.

11 de jan de 2018

WhatsApp permite alternar entre chamadas de voz e vídeo sem desligar

Alterne de chamada de voz para vídeo com um novo atalho (Foto: Reprodução/Paulo Alves)
O WhatsApp liberou uma nova função que agiliza a alternância entre chamadas de voz e vídeo no aplicativo. Ainda em fase de testes e possivelmente instável, o recurso adiciona um atalho que permite transformar uma ligação ativa em videochamadas com um toque. Antes, usuários precisavam encerrar o telefonema antes de iniciar uma conversa em vídeo.

ANÁLISE DE CLÁSSICO: SILENT HILL (PS1, VERSÃO DIGITAL)























Minha relação com a série Silent Hill é no mínimo curiosa: apesar de adorar os jogos, eu joguei praticamente todos da franquia, mas não terminei quase nenhum (apenas o primeiro e o Origins). Com o blog, a estranheza continua: falei dos jogos em algumas ocasiões, mas nunca cheguei a analisar metodicamente nenhum dos títulos.